Palavra de vida

“Vivei em paz uns com os outros.” (Mc 9,50)

Casais de Segunda União

Como soa bem, no meio dos conflitos que ferem a humanidade em tantas partes do mundo, o convite de Jesus à paz. É algo que mantém viva a esperança, pois sabemos que Ele mesmo é a paz e prometeu que nos daria a sua paz.

O Evangelho de Marcos traz essa frase de Jesus no final de uma série de máximas dirigidas aos discípulos, reunidos na casa em Cafarnaum, com as quais Ele explica como deveria viver a sua comunidade. A conclusão é clara: tudo deve conduzir à paz, na qual se encerra todo bem.

Uma paz que somos chamados a experimentar na vida de cada dia: na família, no trabalho, com aqueles que pensam de modo diferente na política. Uma paz que não tem medo de confrontar-se com opiniões discordantes, sobre as quais precisamos falar abertamente, se quisermos uma unidade cada vez mais verdadeira e profunda. Uma paz que, ao mesmo tempo, exige a nossa atenção para que o relacionamento de amor nunca desapareça, porque a pessoa do outro vale mais do que as diversidades que possam existir entre nós.

“Onde quer que chegue a unidade e o amor mútuo”, afirmava Chiara Lubich, “chega a paz, ou melhor, a paz verdadeira. Porque onde existe o amor mútuo, existe uma certa presença de Jesus no nosso meio, e Ele é justamente a paz, a paz por excelência”1.

O seu ideal de unidade tinha surgido durante a Segunda Guerra Mundial e imediatamente revelou-se como antídoto a ódios e dilacerações. Desde então, diante de cada novo conflito, Chiara sempre propôs com persistência a lógica evangélica do amor. Por exemplo, quando explodiu a guerra no Iraque em 1990, ela manifestou a amarga surpresa de ouvir “palavras que pareciam estar sepultadas, como: ‘o inimigo’, ‘os inimigos’, ‘começam as hostilidades’, e depois os boletins de guerra, os prisioneiros, as derrotas (…). Percebemos, com perplexidade, que fora ferido gravemente o princípio fundamental do cristianismo, o ‘mandamento’ por excelência de Jesus, o mandamento ‘novo’. (…) Ao invés de se amarem, ao invés de estarem prontos a morrer um pelo outro”, aí está a humanidade novamente “no abismo do ódio”: desprezo, torturas, assassinatos2. Como sair disso?, perguntava-se ela. “Deveríamos tecer, onde for possível, relacionamentos novos, ou aprofundar os que já existem entre nós cristãos e os fiéis das religiões monoteístas: os muçulmanos e os judeus”3, ou seja, entre aqueles que naquela ocasião estavam em conflito.

A mesma coisa vale diante de todo tipo de conflito: tecer entre pessoas e povos relacionamentos de escuta, de ajuda mútua, de amor, diria Chiara ainda, até “estar prontos a morrer um pelo outro”. É preciso conter as próprias razões para entender as do outro, mesmo sabendo que nem sempre chegaremos a compreendê-lo até o fundo. Também o outro provavelmente faz o mesmo em relação a mim e às vezes, quem sabe, também ele não entende a mim e os meus motivos. No entanto, queremos ficar abertos ao outro, mesmo na diversidade e na incompreensão, salvando acima de tudo o relacionamento com ele.

O Evangelho coloca isso de modo imperativo: “Vivei em paz”. Sinal de que nos pede um empenho sério e exigente. É uma das mais essenciais expressões do amor e da misericórdia que somos chamados a ter uns para com os outros.

Fabio Ciardi

________________________________

1-Na TV da Baviera, 16 de setembro de 1988.

2-28 de fevereiro de 1991, cf. Santos juntos, São Paulo : Cidade Nova 1995, pp. 63-64.

3-Ibid., p. 67.

(Fonte)

Visitação de Maria à sua prima Isabel – Meditação

(Mons. João Clá Dias, EP)

Visitação-de-Nossa-Senhora

Vamos colocar nossa imaginação neste caminho percorrido por Maria a pé, desde de Nazaré até os montes onde habitavam São Zacarias e Santa Isabel e com os olhos fixos nessa viagem vamos nos voltar para pedir a nossa Mãe Celeste para que Ela nos assista com graças especiais, para repararmos o quanto Seu Imaculado Coração merece. Pois, por nossas simples forças, qualidades, capacidades, não temos méritos suficientes para fazer essa reparação dignamente. Mas se Ela nos emprestar o Seu próprio Coração Imaculado, aí sim, estaremos a altura de realiarmos esta reparação.

Oração Inicial

Oh! Maria Santíssima, medianeira de todas as graças, Vós que neste mistério do Rosário, ao visitar Vossa prima Santa Isabel, demonstrastes uma solicitude extraordinária, uma caridade, um desejo de fazer o bem ao próximo, fora do comum. Fostes sem tardança ao encontro de quem precisava de Vossa ajuda.

Pedimos que durante esta meditação, estejais ao nosso lado inspirando-nos, ajudando-nos, orientando-nos e incutindo-nos muita piedade, muito fervor e muita devoção a Vós. Rogamos que nos ensineis a cada passo, todas as lições que este mistério do Rosário dará a cada um de nós. Minha Mãe, assisti-nos como filhos, como filhas, inteiramente postos em Vossas mãos.

Ave Maria, …..

I – Maria nos convida a empreender um caminho …

Naqueles dias, levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas, a uma cidade de Judá. E entrou em casa de Zacarias, e saudou Isabel. (Lc 1, 39-40). Maria nos dá o exemplo de quanto nós devemos ser sensíveis, o quanto devemos ser flexíveis, o quanto devemos estar prontos para atender as inspirações que Deus põe em nossas almas.

Quantas e quantas vezes nós ao longo de nossa vida temos essas ou aquelas inspirações, temos esses ou aqueles toques interiores da graça, sentimos em nossa alma que devemos empreender um caminho ou então abandonar algo que nos prejudica, que nos leva a ofender a Deus. Quantas vezes sentimos a voz de consciência, ou a própria voz de Deus nos convidando a empreender um caminho…

Nossa Senhora foi visitar Santa Isabel, não porque pudesse haver qualquer resquício de dúvida, sobre o que tinha dito o Anjo, ou então que este a tivesse enganado. Jamais isto teria acontecido. Ela foi visitar a prima porque recebeu uma inspiração de fazê-lo, foi tocada por uma graça, recebendo assim, um impulso em seu interior e obedecendo a este prontamente. Ela põe-se a campo, porque lhe veio ao espírito uma preocupação:

‘Minha prima está para dar a luz, não contou nada a ninguém, não haverá quem a ajude, ela não tem filhos, está sozinha, eu preciso ajudá-la. Maria não pensou em si; bateu-se em direção à cidade em que estava Santa Isabel, que era distante de três a quatro dias de caminhada. Certamente acompanhou alguma caravana que por lá passava, pois, viajar sozinho naquela época, era um risco enorme.

Entretanto, pôs-se em direção para onde? O Evangelho diz:”foi com pressa às montanhas…”

Ela não fez um plano de viagem…, bem quando eu me sentir um pouco melhor…, quem sabe, num dia mais propício… Não, “foi com pressa…”. Quando se trata de fazer o bem, é assim que se age. Quando alguém está com alguma necessidade, Ela atende às pressas; e foi por isso que se pôs a caminhar imediatamente. Maria vive dentro da contemplação de Deus, que se encontra no mais intimo de seu coração. Nosso Senhor Jesus Cristo estava sendo formado enquanto homem em seu claustro virginal. Por isso, quanta razão tinha para ficar em casa contemplando este Deus que estava sendo gerado em seu interior. Entretanto, recebida a notícia, não titubeou, põe-se a caminho.

1 – ¨Naqueles dias, levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas…¨ (Lc 1, 39)

De fato a cidade de Santa Isabel ficava em uma região montanhosa e a distância da cidade de Nazaré até lá, eram de três a quatro dias de caminhada. Era portanto uma viagem penosa e difícil, mas Maria está satisfeita, está alegre, e é esta alegria que a coloca em movimento e a faz com que abandone as comodidades e se ponha a caminhar.

Exemplo magnífico para nós, quando formos tocados por uma graça para seguir um determinado caminho, ou quando formos tocados por alguma inspiração de Deus e somos convidados a abandonar uma situação que nos é agradável, ou então quando é uma situação que nos leva ao pecado, sejamos rápidos, tenhamos pressa e imitemos a Nossa Senhora em sua predisposição em cumprir o dever.

Vamos então, neste primeiro ponto de nossa meditação pedir a graça de poder imitá-La:

Oração:

Oh! Mãe Santíssima, neste versículo do Evangelho que meditamos, vimos o quanto Vós sois para nós um exemplo. Vós, ó Mãe minha, vos pusestes a caminho com toda a diligência, sendo que, todas as comodidades Vos convidavam a ficar em casa, isso muito especialmente pelo fato de ser a Mãe de Deus e estar com o próprio Deus Nosso Senhor em seu interior. Vós podíeis perfeitamente ficar na segurança do lar, entretanto vos apressastes em ir ter com aquela que seria a mãe de São João Batista.

Minha Mãe, dai-me a graça de nunca ser lento em atender as inspirações de Deus, sobretudo, se bem que isto nunca se tenha dado convosco, mas dá-se muito freqüentemente conosco, especialmente quando algum pecado, alguma ocasião próxima, alguma relação de amizade nos afasta do bom caminho. Portanto, quando receber um toque de minha consciência, ou um toque da graça, ou mesmo uma inspiração obtida por Vós a fim de me ajudar, que eu obedeça prontamente à Vossa vontade.

II – O Convívio com os santos!

¨E aconteceu que, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo; e exclamou em alta voz, e disse: Bendita sois vós entra as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre…¨ (Lc 1, 41-42)

Eis aí o efeito da presença de Nossa Senhora, o efeito da devoção para com Ela. Mais ainda, São João Batista três meses antes de nascer já foi santificado por Maria.

É real que os santos no seu convívio santificam, é real que a proximidade com uma pessoa santa faz sempre bem as almas que não se fecham às graças das quais são eles veículo. A influência de um santo também é benéfica. Quando alguém tem possibilidade de se aproximar de uma alma santa, e nós temos vários casos ao longo da história, como por exemplo o de Santo Agostinho, que teve uma mãe santa e acabou por se santificar em parte por causa desta influência. E porque isso? Porque a santidade é contagiante, assim como o mal. Os dois extremos são contagiantes: o bem na sua santidade contagia e o mal na sua maldade e hediondez também contagia. Portanto aí está, Nossa Senhora não é somente santa, Ela é Santíssima e por isso nós não dizemos Santa Virgem, dizemos Santíssima Virgem.

Maria Santíssima chegando à casa de Santa Izabel saudou-a e qual foi o efeito produzido? Foi a santificação da criança que estava sendo gestada, São João Batista saltou no ventre materno. E não há somente isso; pelas palavras de Maria, Santa Isabel que era sua prima, no momento do cumprimento, logo que o timbre de sua voz penetrou em seus ouvidos, nesse momento o Espírito Santo tomou-a. O Divino Espírito Santo poderia perfeitamente tomar Santa Isabel sem o concurso de Nossa Senhora, Ele poderia santificar São João Batista sem a intervenção de Maria. Mas acontece que a simples presença d´Ela por ser Santíssima, como que ¨força¨ o Espírito Santo a agir.

Nossa Senhora é aquela que propicia a santificação, por isso, bom sinal de salvação eterna é ter verdadeira devoção a Maria Santíssima. Ter esta verdadeira devoção à Mãe de Deus, significa sinal de predestinação e devemos agradecer a Deus pelo fato de hoje estarmos aqui nesta igreja, na celebração deste Primeiro Sábado do mês no intuito de reparar o Sapiencial e Imaculado Coração de Maria, poder fazer a confissão, mesmo dentro da oitava, rezarmos o terço, como o fizemos ainda há pouco e recebermos a Eucaristia na Santa Missa que se seguirá. Tudo isso é dom de Deus, é privilégio, é como que um sinal de predestinação.

1 – Santa Isabel dá sinal de grande virtude!

Santa Isabel não teve inveja, mas pelo contrário, é reconhecedora dos benefícios que Deus fez a Maria. Ela, tomada pelo Espírito Santo, externa e exclama toda a admiração que tem por Nossa Senhora. Como é isso difícil de acontecer no gênero humano, infelizmente somos afeitos a comparações, vaidade, inveja, orgulho. É comum no nosso relacionamento social termo casos de pessoas que não elogiam, que não reconhecem as qualidades do próximo, pelo contrário, até diminuem essas qualidades nos outros. Não foi o que se passou com Santa Isabel, estando tomada pelo Espírito Santo, não vê o momento de externar tudo o que pensa a respeito daquela que seria a Mãe do Salvador, e não em voz baixa, porque a Escritura diz: “…exclamou em alta voz, e disse: Bendita és tu entra as mulheres, bendito é o fruto do seu ventre”.

Ou seja, reconheceu que Maria é bendita mais do que ela própria. Não nos esqueçamos que Maria é bem mais jovem que Isabel, esta era quase uma menina perto dela, e entretanto, sendo mais idosa, reconhece as maravilhas, reconhece os dons que Deus deu a Nossa Senhora.

Magnífico exemplo, reconhecer as qualidades dos outros, e isso não é só válido para o gênero feminino, mas também para os homens, devemos sempre reconhecer os valores do nosso próximo e este reconhecimento é uma obrigação moral.

Santa Isabel estava também para dar a luz, mas ela reconhece que aquele que está sendo gerado pela prima, é maior do que o seu próprio filho. Uma mãe reconhecer que o filho de uma outra é mais do que o seu filho, é sinal de grande virtude, mas é precisamente esse grau de virtude que devemos almejar, que devemos desejar, a ponto de reconhecer aqueles que são mais do que nós.

Vamos pedir graças sobre graças para conservar em nós a idéia de uma inteira disposição para fazer bem ao próximo, e também a idéia de ter sempre em mãos a nossa alma, nunca cedendo a nenhuma paixão que nos leve ao pecado.

Oração Final:

Oh! Mãe Santíssima, neste Primeiro Sábado de novembro, aqui estamos nesta igreja (Catedral da Sé) para reparar ao Vosso Sapiencial e Imaculado Coração, imploramos que nossos corações sejam pervadidos da graça de zelo apostólico, de amor ao próximo, do desejo de fazer o bem e de controlar e reter todas as nossas paixões, e jamais ceder ao pecado. Não queremos, ó Mãe, ser mais um daqueles que Vos ofende nos dias de hoje com tanta maldade e fazendo de modo desenfreado tudo aquilo que não é conforme a lei de Deus. Queremos, isso sim, ser santos, queremos trilhar o caminho da perfeição.

Dai-nos, ó Mãe, nós vo-lo pedimos, a graça de nunca abandonar este caminho. Mas se por desgraça, viermos a Vos ofender, daí-nos a graça de um arrependimento perfeito para assim retornarmos ao caminho do bem abandonado.

Assim seja!

Em particular hoje, com a liturgia, detemo-nos a meditar sobre o mistério da Visitação da Virgem a Santa Isabel. Maria, trazendo no seio Jesus recém-concebido, vai visitar a prima Isabel. É uma jovem, mas não tem medo, porque Deus está com Ela, dentro d’Ela. De certo modo, podemos dizer que a sua viagem foi a primeira “procissão eucarística” da História.

Maria, Tabernáculo vivo de Deus que se fez carne, é a Arca da Aliança, em que o Senhor visitou e redimiu o seu povo. A presença de Jesus enche-A do Espírito Santo. Quando entra na casa de Isabel, a sua saudação é transbordante de graça: João estremece no seio da mãe, como se tivesse sentido a vinda d’Aquele que no futuro ele deverá anunciar a Israel. Os filhos exultam, as mães regozijam-se. Este encontro, impregnado da alegria do Espírito, encontra a sua expressão no cântico do Magnificat.

Não é, porventura, também esta a alegria da Igreja, que acolhe incessantemente Cristo na sagrada Eucaristia e O leva ao mundo com o testemunho da caridade concreta, imbuída de fé e de esperança? (Bento XVI, Saudação no final do Rosário recitado na Gruta de Lourdes, nos jardins do Vaticano, 31/5/2005)

(Fonte)

Prece a Nossa Senhora
(Música Padre Reginaldo Manzotti)

Oh Santa Maria vigiai-me, com os olhos de mãe
Que nossas famílias recebam a sua proteção
Cobrir com seu manto sagrado, oh mãe a nós vem
Que estejamos na sua graça pra sempre amém

Oh mãe vem ouvir nossas preces e nos amparai
Livrai mãe querida e afaste de todo o mal
Mostrai o caminho àqueles que não sabem onde ir
Oh mãe vem cuidar do futuro do nosso país

Virgem imaculada, Senhora da esperança
Clareia nossa estrada, olhai nossas crianças
Salvai o povo seu, Nossa senhora vem
Maria mãe de Deus e nossa mãe também

Oh Maria que alegria ver nossas famílias
Unidas pra te louvar
Oh Maria que alegria ter sua companhia
E com você caminhar.

Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua família.

Semeando Paz

O que realmente São Paulo quis dizer em Atos 16,31 – “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua família.” O que a Igreja diz a respeito? Um parente meu que não seja católico pode se salvar por minha fé em Cristo?

O versículo em questão (At 16,31) não deve ser lido isoladamente, ao contrário, há que se levar em conta o seu contexto. Essa, aliás, é uma regra fundamental para uma correta compreensão da Escritura Sagrada (sem esquecermos que a Bíblia precisa ser lida à luz da Tradição e do Magistério, obviamente).

Na passagem em questão, podemos perceber que, pela sua fé, o carcereiro salvaria a sua família na medida em que o seu compromisso com Cristo haveria de atingir também os seus familiares.

Com efeito, quando nos entregamos a Cristo, naturalmente iremos querer que não só os nossos familiares, mas também nossos amigos e todos aqueles que conhecemos tenham a mesma experiência.

Foi o que Paulo e Silas provavelmente quiseram dizer com a frase “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua família”. De fato, com a conversão do carcereiro, não só ele se fez batizar, mas toda a sua família (At 16,33), o que muito provavelmente incluiu as crianças pequenas, tanto que essa passagem é usada no Catecismo da Igreja Católica (CIC) como referência bíblica para o batismo infantil (§§ 1250 a 1252), prática que, ademais, remonta aos primórdios da Igreja.

Em suma, a passagem nos ensina a importância do nosso testemunho dentro da nossa família e do nosso compromisso com as almas dos nossos entes queridos.

Com relação a essa mesma passagem, vale a pena lermos também os parágrafos 1655 a 1658 do CIC:

VI. A Igreja doméstica
1655. Cristo quis nascer e crescer no seio da Sagrada Família de José e de Maria. A Igreja outra coisa não é senão a «família de Deus». Desde as suas origens, o núcleo aglutinante da Igreja era, muitas vezes, constituído por aqueles que, «com toda a sua casa», se tinham tornado crentes» (179). Quando se convertiam, desejavam que também «toda a sua casa» fosse salva (180). Estas famílias, que passaram a ser crentes, eram pequenas ilhas de vida cristã no meio dum mundo descrente.
1656. Nos nossos dias, num mundo muitas vezes estranho e até hostil à fé, as famílias crentes são de primordial importância, como focos de fé viva e irradiante. É por isso que o II Concílio do Vaticano chama à família, segundo uma antiga expressão, «Ecclesia domestica – Igreja doméstica» (181). É no seio da família que os pais são, «pela palavra e pelo exemplo […], os primeiros arautos da fé para os seus filhos, ao serviço da vocação própria de cada um e muito especialmente da vocação consagrada» (182).
1657. É aqui que se exerce, de modo privilegiado, o sacerdócio baptismal do pai de família, da mãe, dos filhos, de todos os membros da família, «na recepção dos sacramentos, na oração e acção de graças, no testemunho da santidade de vida, na abnegação e na caridade efectiva» (183). O lar é, assim, a primeira escola de vida cristã e «uma escola de enriquecimento humano» (184). É aqui que se aprende a tenacidade e a alegria no trabalho, o amor fraterno, o perdão generoso e sempre renovado, e, sobretudo, o culto divino, pela oração e pelo oferecimento da própria vida.
1658. Não podem esquecer-se, também, certas pessoas que estão, em virtude das condições concretas em que têm de viver, muitas vezes sem assim o terem querido, particularmente próximas do coração de Cristo, e que merecem, portanto, a estima e a solicitude atenta da Igreja, particularmente dos pastores: o grande número de pessoas celibatárias. Muitas delas ficam sem família humana, frequentemente devido a condições de pobreza. Algumas vivem a sua situação no espírito das bem-aventuranças, servindo a Deus e ao próximo de modo exemplar. Mas a todas é necessário abrir as portas dos lares, «igrejas domésticas», e da grande família que é a Igreja. «Ninguém se sinta privado de família neste mundo: a Igreja é casa e família para todos, especialmente para quantos estão “cansados e oprimidos” (Mt 11, 28)» (185).”

(Fonte)

Ofereça a outra face

Ofereça a outra face

Quando falou que se alguém nos batesse numa face, deveríamos oferecer a outra (Mt 5,39), Jesus expressou um grandioso ensinamento que, se levado em conta, teríamos a solução para todas as situações desagradáveis que surgissem em nossa vida.

Oferecer a outra face não quer dizer dar o rosto para bater. É uma metáfora que sugere que se a situação nos chega de forma desagradável, devemos mostrar a face oposta. Dar a outra face é mudar a paisagem, é uma ação positiva diante de uma negativa.

Assim, quando todos atiram pedras, ofereça uma flor.

Quando todos caminham para o lado errado, mostre o passo certo.

Se tudo estiver escuro, se nada puder ser visto, acenda você uma luz, ilumine as trevas com uma pequena lâmpada.

Quando todos estiverem chorando, dê o primeiro sorriso; não com lábios sorridentes, mas com um coração que compreenda, com braços que confortem.

Quando ninguém souber coisa alguma, e você souber um pouquinho, ensine, começando por aprender, corrigindo-se a si mesmo.

Quando alguém estiver angustiado, mostre-lhe a face do conforto.

Se encontrar alguém em desespero, acene com a esperança, mesmo que isso seja um desafio para você mesmo.

Quando a terra dos corações estiver seca, que sua mão possa regá-las.

Quando a flor do afeto estiver sufocada pelos espinhos da incompreensão, que sua mão saiba arrancar a praga, afagar a pétala, acariciar a flor.

Onde haja portas fechadas para o entendimento, leve a chave da concórdia e da compreensão.

Onde o vento sopra, frio, enregelando corações, que o calor de sua alma seja proteção e abrigo.

Se alguém caminha sem rumo, mostre-lhe as pegadas que conduzem a um porto seguro.

Onde a crítica azeda for o assunto principal, ofereça uma palavra de otimismo, um raio de esperança, uma luz que rompe as trevas e clareia o ambiente mental.

Quando todos parecerem perdidos, mostre o caminho de volta.

Quando a face da solidão se mostrar como única alternativa na vida de alguém, seja uma presença que conforta, ainda que uma presença silenciosa.

Onde o manto escuro da morte se apresenta como um beco sem saída, fale da vida exuberante que aguarda os seres que fazem a passagem pela porta estreita.

Seja você a oferecer a face sorridente e otimista da vida, onde a tristeza e o pessimismo marcam presença.